O que é a virtude da Esperança?

A esperança é a virtude teologal (dom de Deus), que nos faz desejar como nossa felicidade o Reino dos Céus e a Vida Eterna, pondo nossa confiança nas promessas de Cristo, apoiando-nos não em nossas forças, mas no socorro da graça do Espírito Santo. (cf. CIC §1817)
A Carta aos hebreus diz: “Continuemos a afirmar nossa esperança, porque é fiel quem fez a promessa” (Hb 10,23). São Tito disse que por Jesus Cristo, nosso Salvador, fomos justificados e nos tornamos “herdeiros da esperança da vida eterna” (Tt 3,6-7). “Nossa esperança não pode ser incerta, pois que ela se apoia nas promessas divinas” (S. Agostinho).
A virtude da esperança responde à aspiração de felicidade colocada por Deus no nosso coração e purifica-a, para ordená-las ao Reino dos Céus. Ela nos protege contra o desânimo; anima-nos diante de nossa fraqueza; faz o nosso coração desejar a bem-aventurança eterna.
Nada estará perdido enquanto estivermos em busca. Quanto maior a esperança, tanto maior a união com Deus, porque em relação a Deus, quanto mais se espera, tanto mais se alcança.
A força da Esperança também nos defende do egoísmo e nos leva a felicidade da caridade.
A esperança cristã é como a esperança do povo de Deus, a esperança de Abraão, Isaac e Jacó, fortalecida nas promessas de Deus, e purificada pelo sacrifício. “Abraão, contra toda a esperança, acreditou na esperança de tornar-se pai de muitos povos” (Rm 4,18).

A esperança cristã se manifesta no anúncio das bem-aventuranças; elevam nossa esperança ao céu, e traçam o caminho por meio das provações da vida. Mas, pelos méritos de Jesus Cristo e de sua Paixão, Deus nos guarda na “esperança que não decepciona” (Rm 5,5). A esperança é a “âncora da alma, segura e firme, “penetrando… onde Jesus entrou por nós, como precursor” (Hb 6,19-20).
A esperança é também é uma arma que nos protege no combate da salvação: “Revestidos da couraça da fé e da caridade e do capacete da esperança da salvação” (1 Ts 5,8). Ela nos traz alegria mesmo na provação: “alegrando-vos na esperança, perseverando na tribulação” (Rm 12,12).

A esperança se exprime e se alimenta na oração, especialmente no Pai-Nosso resumo de tudo o que a esperança nos faz desejar.
Em qualquer circunstância, devemos esperar, com a graça de Deus, “perseverar até o fim” e alcançar a alegria do céu como recompensa eterna de Deus pelas boas obras praticadas com a graça de Cristo.
Santa Teresa de Jesus, disse:
“Espera, ó minha alma, espera. Ignoras o dia e a hora. Vigia cuidadosamente, tudo passa com rapidez, ainda que tua impaciência torne duvidoso o que é certo, e longo um tempo bem curto. Considera que, quanto mais pelejares, mais provarás o amor que tens a teu Deus e mais te alegrarás um dia com teu Bem-Amado numa felicidade e num êxtase que não poderão jamais terminar”. (Exclamações da alma a Deus, 15,3)
Como Santo Agostinho digamos: “Ainda singramos o mar, mas já lançamos em terra a âncora da esperança”. “Quanto mais no curso desta vida gozamos de Deus, ainda que em espelho e mais ardentemente desejamos terminá-la (1 Cor 13,12), com mais tolerância suportamos essa nossa peregrinação em direção a Deus.”
Prof. Felipe Aquino
Via: Cléofas 

21/07 – São Lourenço de Brindes

Presbítero da Igreja, o santo de hoje é reconhecido como Doutor, pois amou, aprofundou, serviu e com ardor comunicou a Sã Doutrina Católica. Nascido em Brindes, na Itália, no ano de 1559, São Lourenço entrou na família franciscana, como Capuchinho e chegou a Superior Geral.
Homem de Deus e conciliador da maneira franciscana de viver com as necessidades da época, como pregador espalhou a Palavra de Deus em muitos lugares, como Itália, Espanha, Portugal, França, Bélgica, Holanda. Conhecedor do hebraico, aramaico, caldeu, grego, latim, alemão, italiano e outras línguas, pôde – como teólogo e apologista – aprofundar nos estudos das Sagradas Escrituras e bradar pelos quatro cantos da Igreja e do mundo a Verdade, pois o protestantismo se alastrava, assim como diversas heresias.
São Lourenço fugia constantemente das honras e, além de dormir no chão, levantava-se à noite para rezar e se alimentava somente de pão, água e verduras, como penitência. Além de grande propagador da Palavra, foi quem muito lutou para vivê-la, por isso, ao ocupar a função de diplomata da Igreja, serviu de pacificador durante a ameaça de invasão por parte dos turcos. São Lourenço, que entrou no Céu com 60 anos, deixou muitos escritos, os quais externam o amor pela Palavra de Deus: “A Palavra de Deus é luz para a inteligência, fogo para a vontade, para que o homem possa conhecer e amar a Deus… É martelo contra a dura obstinação do coração, nos vícios contra a carne, o mundo e o demônio; é espada que mata todo o pecado”.
São Lourenço de Brindes, rogai por nós!


Cléofas 

A Salve Rainha explicada

Salve Rainha, mãe de Deus e nossa

a-salve-rainha-explicada
Padre Paulo Ricardo. Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com
A Igreja começa o ano com nossa Senhora, hoje é dia da Santa Maria Mãe de Deus. O título mais importante de Maria. Tudo começa com Nossa Senhora.

Um único mediador

Jesus é a única escada que une o Céu e a terra, sim é verdade! Só existe um único mediador entre Deus e os seres humanos. Só existe uma pessoa que é verdadeiramente humana e verdadeiramente divina. O abismo que separava o homem de Deus, deixou de existir com Jesus. Jesus é a escada que une o Céu a terra. E eu uso essa comparação da escada porque foi o próprio Jesus quem usou essa comparação.
Quando Ele diz a Natanael: “eu te vi debaixo da figueira”, Natanael se espanta, então Jesus diz ainda “ (Jo 1, 51).
Essa palavra é muito importante, porque se trata de um sonho, o sonho de Jacó em Betel. Ele sonhou que uma escada unia o Céu e a terra e os anjos subiam e desciam. (cf. Gn 28).
E escada é Ele, Jesus. E os anjos sobem e descem sobre Ele.
Mas, Ele entrou nesse mundo por uma porta. E essa porta é Maria.
Deus poderia, poderia trazer seu filho ao mundo de outra forma, Deus é onipotente. No entanto, Ele foi até ela, pedir o seu consentimento, para a salvação entrar no mundo.
Deus quis isso, porque Deus queria que o caminho da salvação fosse o contrário do caminho da perdição.

Ave e Eva

Como é que aconteceu a salvação e como aconteceu a perdição?
Um dia havia uma mulher. Essa mulher, além de ser mulher era virgem. Essa mulher virgem, é também imaculada estava noiva de um homem. Vamos lá, vamos fazer a lista:
Primeiro – Mulher; segundo – Virgem; terceiro – Imaculada; quarto – Noiva. E, quito – Ela foi visitada por um anjo. Quem é ela? Qual é o nome dessa mulher? E o nome da mulher é Eva.
Eva era uma mulher; segundo, ela era virgem; terceiro. Ela era imaculada – o pecado ainda não tinha entrado no mundo – ; quarto, ela era noiva de Adão; e quinto, o nome do anjo é Satanás. Essa mulher virgem, imaculada, desobedeceu, e com a sua desobediência entrou no mundo a perdição, o pecado, a nossa condenação ao inferno.
Muitos séculos depois havia outra Mulher que era Virgem, Imaculada, Noiva, e foi visitada por Gabriel. Era Maria. E a salvação entrou no mundo. Então que belo é entrar com ela, pela porta de 2016, por onde a salvação entrou em nossa vida. Abra a porta com Maria, para que em sua vida entre a salvação.
Você pode me dizer o seguinte: “Padre, a situação está feia. O senhor não sabe a tragédia que é a situação que nós estamos vivendo”. Pergunto: Quem aqui tem, na sua família, portanto próximo, quem tem em sua casa, uma pessoa que está desempregada, procurando emprego? Muita gente!

Uma palavra de esperança

Nós seguimos “apertando o cinto”. 2015 foi difícil e 2016 ninguém sabe, mas pelos prognósticos não será muito bom.
Então, gostaria de te dar uma palavra de esperança. Preparando essa pregação, me veio a oração da Salve Rainha. Por três razões. Primeira: dia 1º de Janeiro – é o dia dela, dia de Maria Mãe de Deus. Segundo: Na Salve Rainha, ela é chamada de Mãe da Misericórdia, e nesse ano de 2016 viveremos o Ano da Misericórdia. Terceiro: dizemos na oração, que Nossa Senhora é nossa esperança, “nossa esperança, salve”.
Se a situação está ruim, poderia estar muito pior. Se você acha que não é porque você não tem imaginação.
A situação que era vivida pelo monge, que escreveu essa oração da Salve Rainha, Hermannus Contractus. Traduzindo para o português: Hermano o aleijado. Ela era chamado assim, porque de fato ele tinha uma deformação congênita. Ele não caminhava, não conseguia escrever direito e apesar disso ele foi aceito numa abadia.
E ele foi monge, e o que é mais admirável, um homem genial. Ele foi um gênio.
Tinha dificuldade de escrever e de se comunicar, mas tinha um conhecimento científico magnífico. Era também um homem de grandes virtudes e tinha uma devoção tamanha a Nossa Senhora.
Naquela época a Europa estava sendo invadida pelos Vikings. Estes arrombavam as cidades, roubavam, mas ainda, torturavam as pessoas e torturavam com requintes de crueldade. Não estamos sendo invadidos, nem você está atrofiado, numa cadeira de rodas.

Salve Rainha

E Hermannus Contractus, chama Nossa Senhora por “Salve Rainha”.
Alguns perguntaram: “mas, como ele chama Maria de Rainha? A Bíblia não chama Maria de rainha”.Se você não conhece a bíblia, no Antigo Testamento, a mãe do rei, na dinastia de Davi, era a rainha.
Davi tinha muitos filhos, quando Davi morreu e Salomão assumiu o trono, a Bíblia descreve como que Salomão sendo rei, depois que ele se senta no trono, entra a sua mãe. Ele se levanta do trono (coisa que um rei não fazia, a pessoa que tinha que vir até o rei no trono.). Salomão se levanta e vai até ela, manda buscar um trono e senta a mãe no trono, e Salomão se inclina diante da Rainha.
E porque a rainha não era a mulher de Salomão? Por uma razão muito simples. O rei tinha muitas mulheres, mas, mãe, ele só tinha uma. Na linhagem de Davi, a qual pertence Jesus, a tribo de Judá, havia a tradição de que a Rainha era a Rainha mãe. Não a esposa, mas a mãe.
Faça uma pesquisa da genealogia, dos reis do norte, ninguém falará da mãe. Já quando você pesquisar os reis do sul, região de Davi, sempre mencionam a mãe porque na linhagem de Davi o rei era coroado, mas a rainha mãe, também era coroada.

Da descendência da Mulher ou da serpente

Quando o anjo anunciou a Maria, “o filho que nascerá de ti, irá se sentar no trono de seu pai Davi”, ela sabia perfeitamente, que seu filho iria se sentar no trono de seu pai Davi, e sabia também que ela seria a rainha mãe.
Apesar de saber disso, ela se inclina e diz “eis aqui a escrava do Senhor”. Ela pediu para ser escrava. Sabia que seria humilhada e escondida nesta vida. No Magnificat ela diz. Agora “O Senhor olhou para a humildade de sua serva”, mas depois “eu serei chamada de bem aventurada por todas as gerações”.
No livro do Apocalipse, se cumpre, “uma mulher vestida de sol (…) e na cabeça uma coroa”, a mulher que usa coroa chama-se rainha. E ela deu a luz a um filho, e seu filho irá governar as nações com cetro de ferro.
Ela vai para o deserto com os seus filhos, travar uma luta contra o diabo. Quem é filho de Nossa Senhora, diga amém!
Nossos irmãos separados dizem: “Ah, Jesus tratava Maria como uma mulher qualquer, chama-a de mulher, como uma qualquer”. Nada disso! Ela é a mulher, a mulher que foi prevista e escolhida por Deus, desde o livro do Gênesis.
Quando o pecado entrou no mundo, Deus disse a serpente: “Colocarei inimizade entre ti e a mulher”, no Apocalipse aparece essa inimizade, a mulher e a antiga serpente estão ali de novo, combatendo.
Então você tem que escolher de quem você é filho. Não há outra opção. Ou você é descendente da mulher ou da serpente.
Quando Jesus na cruz diz : “eis ai o teu filho”, Ele está fazendo com que ela seja a nossa mãe.

Mãe de Misericórdia

A Mãe da Misericórdia, e o que é a Misericórdia? Alguém que tem mais, dar para quem tem menos. Eu só posso ter misericórdia de quem está abaixo de mim. Quando Deus ama o ser humano é um tipo de misericórdia. Ele se abaixa.
Maria é Mãe de Misericórdia porque ela tem algo que não temos. Quando a graça de Deus trabalha em nosso coração e nos leva até o céu ela se torna glória. Maria enquanto estava aqui na terra é cheia de graça, mas lá no céu ela é cheia de glória. Maria, se reclina sobre nós cheia de glória.
É próprio da mãe se rebaixar por amor aos seus filhos. Uma mãe quando se reclina no berço ama seu filho. Maria poderia ficar lá no Céu, com nojo dos nossos pecados, mas ela como mãe não sente horror dos nossos pecados. Ela se sente seduzida por nossa miséria.
O monge Hermano, que escreveu a Salve Rainha podia ser deformado fisicamente, mas não espiritualmente.
Se você passa necessidade financeira, saiba que a sagrada família passou muito mais. A casa, de Nazaré era uma pequena casa, de três paredes encostada em uma gruta. Sem luz elétrica, água corrente, sem esgoto. Não tinha o luxo de TV, não tinha geladeira.
Por mais que você esteja endividado lembre-se da pobreza de Nazaré.

Amar a pobreza

O papa Francisco diz que temos que ajudar os pobres e amar a pobreza. Nosso país está cada vez mais materialista. Está na hora de começarmos a viver verdadeiramente o estilo da família de Nazaré, com o desprendimento e a generosidade.
Quando eu era padre, jovem, alguns meses de padre, fui a Cuiabá celebrar minha primeira Missa com minha família. E estava tendo em Cuiabá uma enchente, e fui visitar as vítimas da enchente com os Vicentinos. Eles faziam um cadastro das famílias e íamos entregar cestas básicas. Cheguei a uma casa de uma senhora, que tinha um cômodo só, de chão batido, paredes de tábua, fogão a lenha, era um cômodo só.
Quando essa senhora me viu disse: “Padre, que bom que o senhor veio me visitar. Eu preciso me confessar”. Eu vou dizer para vocês o que ela confessou. Não vão me dizer que estou revelando a confissão, porque eu não lembro quem era. Já fazem muitos anos. Portanto, se não lembro de quem era, não tem revelação.
Atendi a confissão dela em pé, porque as cadeiras estavam debaixo d´água.
Ela disse: “Quero me confessar, porque eu não ajudei os pobres”.
Eu respondi: “Não entendi”.
E ela explicou: “A minha vizinha não está cadastrada nos Vicentinos, e ela me pediu um pouquinho de arroz, só que eu não dei”.
a-salve-rainha-explicada1
“Veja, ninguém é tão pobre que não tenha nada a dar para alguém mais pobre.” (Padre Paulo Ricardo). Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com
Veja, ninguém é tão pobre que não tenha nada a dar para alguém mais pobre. Pare de olhar para as suas necessidades, pare de lamber a sua ferida! Como a Virgem Maria, procuremos alguém que não tenha alguma coisa que temos. Viva, encarne a misericórdia!

Vida, doçura esperança, nossa salve

A salve rainha continua dizendo “Vida, doçura esperança, nossa salve”. Como dizemos que ela é vida? Toda mãe é vida. Deus escolheu Maria para gerar Jesus em nossos corações. Quando você se torna batizado, você se torna filho de Deus pela escada que é Jesus, mas ela foi quem gerou Jesus”.
“Doçura”. Estamos acostumados numa sociedade que tem doces facilmente. Nós estamos saturados de açúcar, mas na idade média, quando essa oração foi composta não era assim.
O doce, nos elementos da natureza, é algo muito raro. Ou você pega uma fruta muito doce, o que não é tão fácil, as vezes é azeda. Você experimentar um alimento doce é um alívio. Maria é esse alívio!
“Esperança”, na parte em que diz: “A vós bradamos degradados filhos de Eva”.
Degredado é exilado. Perdemos a felicidade humana com o pecado de Adão e Eva. Mas, Deus nos diz: “Vou dar minha felicidade do Céu a vocês!”.
Você não é feliz, se você não está feliz aqui nesta terra? Bem vindo a vida real. É assim mesmo. Não fomos feitos para ser felizes aqui. Porque Adão e Eva jogaram fora a felicidade. Todas as vezes que procuramos uma felicidade aqui, transformamos essa felicidade em ídolo.

Para ser de Deus, temos que ser ateus

Se você quer ser de Deus, quer ter fé, você precisa ser profundamente ateu. Ateu ao deus do dinheiro. Pare de se iludir que o dinheiro traz felicidade. Estatisticamente falando, o maior número de suicídios estão nos países ricos.
Ateu do deus do sexo. Se sexo trouxesse felicidade o Brasil seria o país mais feliz do mundo. Por pesquisa da Unesco sabemos que os jovens brasileiros perdem a virgindade muito antes dos jovens dos outros países. O sexo desregrado só causa infelicidade.
Agora vamos pegar as idolatrias aparentemente honestas. A sua família não vai trazer felicidade a você. Tem gente que acha que a família é motivo de felicidade. A sua mulher não vai trazer felicidade a você. O seu marido não vai fazer você feliz minha senhora. Seus filhos não vão te fazer feliz. O nosso coração é grande demais para sermos felizes neste mundo.
Só é possível esperar em Deus, quem desesperou de si mesmo e dos bens deste mundo. Coloque a sua esperança em Deus. Nós somos degredados filhos de Eva, “chorando neste vale de lágrimas”.
Inauguramos nossa entrada neste mundo com um choro, e concluímos com o choro.
Este mundo tem alguma alegria? Claro que tem! Mas, essas alegrias são promessas do Céu. É como um tira gosto.
A felicidade vai vir, mas vai vir lá no céu. Jesus quando quis nos dar a esperança, Ele nos ensinou a rezar o Pai Nosso. “venha a nós o vosso reino”.
Mas, esperamos a salvação eterna? Qual foi a última vez que você rezou pedindo a sua salvação e a salvação dos seus? Qual é a sua esperança? Eduque seus filhos para o céu.

Nossa advogada

“Eia pois advogada nossa, que vossos olhos a nós volvei”
Que Maria, olhe para nós. Como uma criança que chora no berço, e a mãe volta seu olhar para o filho. Não queira esconder a sua vida de Maria. Deixe ela olhá-lo.
“E depois deste desterro”. Outra palavra que significado exílio, “mostrai-nos Jesus”. Ela irá nos mostrar a felicidade. “Óh, clemente, ó piedosa”. A clemencia é a virtude que modera o castigo. Tem que haver limites para o filho. E quando ele “pisa na bola” a gente tem que dar um castigo. E castigamos porque não amamos? Não! Mas, já pensou se o castigo for exagerado?
A clemência é a virtude de quem castiga moderadamente.
“Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo, Amém!”

Por Padre Paulo Ricardo 
Data: 01/01/16 
Acampamento de ano novo 
Fonte: Canção Nova 

20/07 – Santa Margarida

Margarida nasceu no ano 275 na Antioquia de Pisidia, uma florescente cidade da Ásia Menor. Órfã de mãe desde pequena e filha de um sacerdote pagão e idolatra, Margarida tinha tudo para jamais se aproximar de Deus, se “algo” não acontecesse. E algo divino aconteceu: o pai acabou confiando sua educação a uma ama extremamente católica e a vida de Margarida enveredou por outro caminho. Caminho que a levaria à santidade. Cresceu inteligente e muito dedicada às coisas do espírito. Mas o pai começou a perceber que ela não ia aos cultos ou mesmo ao templo, para participar dos sacrifícios aos deuses. Sem suspeitar que, à noite, ela participava de cultos cristãos. Como não podia sequer imaginar tal fato, alguém tratou de abrir seus olhos. Foi aí que começou o suplício de Margarida. Ele exigiu que ela abandonasse o cristianismo. Como ela se recusou, primeiro lhe impôs um severo castigo, mandando a jovem para o campo trabalhar ao lado dos escravos. Depois, como nem a força fazia a filha mudar de ideia, entregou-a ao prefeito local para que fosse julgada pelo “crime de ser cristã”. O martírio da jovem Margarida foi tão terrível e de resultados tão fantásticos, que se tornou uma das paginas da tradição cristã mais transmitida através dos séculos. Justamente por ter sido tão cruel, o povo se apegou de tal forma ao sofrimento da jovem que à sua narrativa se acrescentaram fatos lendários. O certo foi que primeiro ela foi levada à presença do juiz e prefeito e diante dele se negou a abandonar a fé cristã. Foram horas de pressão e tortura psicológica que, por fim, viraram tortura física. Margarida foi açoitada, depois teve o corpo colocado sobre uma trave e rasgado com ganchos de ferro. Dizem que a população e até mesmo os carrascos protestaram contra a pena decretada. No dia seguinte, ela apareceu sem o menor sinal de sofrimento à frente do governante. Este, irado com o estranho fato, determinou que ela fosse assada viva sobre chapas quentes. Novamente a comoção tomou conta de todos, pois nem assim a jovem morria ou demonstrava sofrer. Diz a tradição, que Margarida teria sido visitada no cárcere pelo Satanás, em forma de um dragão que a engoliu. Mas, Margarida conseguiu sair do seu ventre, firmando contra ele o crucifixo que trazia nas mãos. Ela foi então jogada nas águas de um rio gelado. Quando saiu de lá viva, com as correntes arrebentadas e sem sinal das torturas aplicadas, muita gente ajoelhou-se, converteu-se e até se ofereceu para morrer no lugar dela. Mas o prefeito enfurecido mandou que a decapitassem. Ela morreu no dia 20 de julho de 290, com a idade de quinze anos. O seu corpo foi recolhido e levado para um lugar seguro, onde foi enterrado pelos cristãos convertidos, passando a ser venerada em todo o Oriente. No século X foi trasladado para a Itália e desde então seu culto se difundiu também em todo o Ocidente. De tal modo, que Santa Margarida foi incluída entre os “Catorze Santos Auxiliadores”, aos quais o povo cristão recorre pela intercessão nos momentos mais difíceis. Santa Margarida e solicitada para proteger as grávidas dos partos difíceis.


Cléofas 

19/07 – Santo Arsênio

Arsênio, que pertencia a uma nobre e tradicional família de senadores, nasceu no ano 354, em Roma. Segundo os registros, ele foi ordenado sacerdote, pessoalmente, pelo papa Dâmaso. Em 383, o próprio imperador Teodósio convidou-o para cuidar da educação e formação de seus filhos Arcádio e Honório, em Constantinopla. Arsênio permaneceu na Corte por onze anos, até 394. Enfim, conseguiu a exoneração do cargo e retirou-se para o deserto no Egito. O mundo católico passava por muitas transformações. Nos séculos anteriores, o martírio, a morte pela fé na palavra de Jesus Cristo, era o melhor exemplo para a salvação da alma. A partir do século IV, a “morte em vida” passou a ser o sacrifício mais perfeito para a purificação, com o aparecimento dos eremitas no Oriente. Eram cristãos e isolavam-se no deserto, em oração e penitência, numa vida solitária e contemplativa, como forma de servir a Deus. No início, sozinhos, depois se organizavam em pequenas comunidades. Havia apenas uma regra ascética, para fixar o período de jejum e oração, mas que mantinha uma rígida separação, inclusive de convivência entre eles mesmos. Arsênio tornou-se um deles. O seu refúgio, no deserto egípcio da Alexandria, era dos mais procurados pelos cristãos, que buscavam, na sabedoria e santidade de alguns ermitãos, conselhos e paz para as aflições da alma, mesmo que para tanto tivessem de fazer longas e cansativas peregrinações. A antiga tradição diz que ele não gostava muito de interromper seu exílio voluntário para atender aos que o procuravam. Mas, para não usufruir o egoísmo da solidão total, decidiu juntar-se aos eremitas de Scete, também no deserto da Alexandria, os quais já viviam parcialmente em comunidade, para não se isolarem totalmente dos demais seres humanos. Mas a paz e a tranquilidade daqueles religiosos findaram com a invasão de uma tribo das redondezas. Arsênio, então, abandonou o local. Entre 434 e 450, viveu isolado, só nos últimos anos aceitando a companhia de uns poucos discípulos. Ele acabou recebendo de Deus o dom das lágrimas. Em oração ou penitência, quando se emocionava com o Evangelho, caia em prantos. Morreu em Troc, perto de Mênfis, em 450. A importância de Santo Arsênio na história da Igreja prende-se à importância da época em que nasceu e viveu. Foi um dos mais conhecidos eremitas do Egito, sendo considerado um dos “Padres do deserto”. O seu legado chegou-nos por meio de uma crônica biográfica e de suas sábias máximas, escritas por Daniel de Pharan, um dos seus discípulos. Além de um retrato estampando sua bela figura de homem alto e astuto, feito pelo mesmo discípulo.


Cléofas 

Mandela Day. Papa: superar racismo, intolerância e instrumentalizações

19/07/2017


“É preciso superar todas as formas de racismo, de intolerância e de instrumentalização da pessoa humana.” Com um Tweet, o Papa Francisco recordou, neste 18 de julho, a celebração do Dia Internacional Nelson Mandela.
Se estivesse vivo, hoje Madiba – como era conhecido – completaria 96 anos. Considerado uma das personalidades mais ilustres do século XX, Mandela morreu em 5 de dezembro de 2013. Naquela ocasião, o Papa Francisco enalteceu o firme compromisso demonstrado por Mandela para “promover a dignidade humana de todos os cidadãos do País e forjar uma nova África do Sul construída sobre os pilares da não-violência, da reconciliação e da verdade.
“Rezo para que o exemplo do ex-presidente inspire gerações de sul-africanos, para que coloquem a justiça e o bem comum à frente de suas aspirações políticas”, disse o Papa Francisco em telegrama.
S. João Paulo II
Ao longo de sua vida, Nelson Mandela encontrou um único Pontífice: João Paulo II. A primeira vez foi em junho de 1990, pouco depois que deixou a prisão, onde transcorreu 27 anos de sua vida.
Em setembro de 1995, o Papa polaco visitou a África do Sul, sendo acolhido justamente por Nelson Mandela. Eis as palavras de João Paulo II na cerimónia de boas-vindas, em 16 de setembro: hoje a minha viagem me traz à África do Sul, à nova África do Sul, uma nação que se colocou firmemente no caminho da reconciliação e da harmonia entre todos os seus habitantes. No início da minha visita, desejo homenagear o Senhor, Presidente, que, depois de ter sido uma “testemunha” silenciosa e partícipe do anseio do seu povo à verdadeira libertação, agora assumiu a responsabilidade de inspirar e de desafiar cada um a ter êxito na tarefa de reconciliação e de reconstrução nacional.
Apartheid
Mais uma menção a Mandela foi feita ao regressar desta viagem, no Angelus de 24 de setembro de 1995 no Vaticano: “Infelizmente, mais uma vez pude tocar com as mãos os problemas deste Continente. A África carrega os sinais da sua longa história de humilhações. Muito se olhou para este Continente somente em nome de interesses egoístas. Hoje, a África pede para ser estimada e amada por aquilo que é. Não pede compaixão, pede solidariedade. Esta mensagem colhi em todos os lugares e, em especial, no encontro com Nelson Mandela, o homem que guiou a superação do apartheid, interpretando o desejo do seu povo, e de toda a África, de renascer na pacificação e na colaboração entre todos os seus filhos”.
Bento XVI
Bento XVI falou de Mandela ao se dirigir ao novo Embaixador da África do Sul junto à Santa Sé, em 29 de maio de 2009.
“Ninguém pode duvidar que muitos méritos pelos progressos realizados devem ser atribuídos à extraordinária maturidade política e às qualidades humanas do ex-presidente Nelson Mandela. Ele foi promotor de perdão e de reconciliação e goza de grande respeito no seu país e junto à comunidade internacional.”
Maior nome da política sul-africana, Nobel da Paz, Nelson Mandela deixou um legado não só de convivência, mas também de luta e resistência. Primeiro presidente negro eleito da África do Sul, entre 1994 e 1999, cumpriu um só mandato – feito raro na política mundial.

Rádio Vaticano 

Papa: a voz dos trabalhadores continua a ressoar na Igreja

17/07/2017


“A voz dos trabalhadores continua a ressoar no seio da Igreja”: é o desejo do Papa Francisco numa mensagem dirigida ao encontro internacional do Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos a decorrer em Ávila, na Espanha, no 50° aniversário da sua fundação.
A conferência está em andamento, na cidade de Ávila, Espanha, na Universidade da Mística, até o próximo dia 21. Participam do evento 120 delegados representando o movimento presente hoje em 79 países. O tema do encontro é “Terra, casa e trabalho por uma vida digna”.
A mensagem, assinada pelo Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, sublinha que “a dignidade da pessoa está estritamente ligada a essas três realidades” que recordam que a experiência fundamental do ser humano “é a de sentir-se arraigado no mundo, na família e na sociedade”.
“Terra, casa e trabalho significa lutar para que cada pessoa viva de maneira conforme à sua dignidade e ninguém seja descartado. Para isso, nos encoraja a nossa fé em Deus que enviou o seu Filho ao mundo para que, partilhando a história de seu povo, vivendo numa família e trabalhando com suas mãos, redimisse e salvasse o ser humano com a sua morte e ressurreição”, prossegue a mensagem papal.
Francisco conclui, exortando o Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos “a perseverar com impulso renovado nos esforços de levar o Evangelho ao mundo do trabalho”. (BS/MJ) 
Rádio Vaticano 

Limpemos o nosso coração para que a Palavra de Deus dê frutos

16/07/2017


Na sua alocução antes da oração mariana do Angelus juntamente com os fiéis congregados na Praça de São Pedro, o Papa Francisco comentou a parábola do bom semeador que o Evangelho deste domingo nos apresenta. E o semeador é Jesus que – disse Francisco  - não se impõe, mas se propõe a nós, difundindo com paciência e generosidade a sua Palavra. Palavra que não é uma gaiola ou uma ratoeira, mas sim uma semente que pode dar frutos. Mas isto só acontecerá se nós a acolhermos.
É uma parábola que nos diz respeito sobretudo a nós. Com efeito fala mais do terreno do que do semeador. Jesus faz como que uma “radiografia espiritual” do nosso coração que é o terreno no qual semeia a Palavra – insistiu o Papa. E o terreno pode ser bom e nesse caso dá bons frutos, mas pode também ser duro, impermeável, como uma estrada alcatroada. Mas entre o terreno bom e  o duro, a estrada – fez notar o Papa - pode haver dois tipos de terrenos intermédios: um terreno pedregoso e um terreno espinhoso. E explicou:
Um terreno pedregoso é um terreno, onde não há muita terra; a semente pode germinar, mas não consegue afundar as raízes. Assim é o coração superficial, que acolhe o Senhor, que quer rezar, amar, testemunhar, mas não persevera, cansa-se e nunca descola. É um coração sem espessura, onde as pedras da preguiça prevalecem sobre a terra boa, onde o amor é inconstante e passageiro. Mas quem acolhe o Senhor só quando lhe apetece, não dá frutos
O Papa falou depois do terreno espinhoso, cheio de sarças que sufocam as plantas boas. Essas sarças são as seduções da riqueza, dos vícios, as preocupações do mundo:
As sarças são os vícios que lutam com Deus, que sufocam a sua presença: são antes de mais os ídolos da riqueza mundana, o viver avidamente para si mesmo, pelo ter e pelo poder. Se cultivarmos essas sarças, sufocamos o crescimento de Deus em nós. Cada um pode reconhecer as suas pequenas ou grandes sarças, os vícios que habitam o seu coração, aqueles arbustos mais ou menos enraizados não agradam a Deus e nos impedem de ter um coração limpo. É preciso arrancá-los, caso contrário a Palavra não dá frutos”
E o Papa concluiu dizendo que Jesus nos convida a olharmos para dentro de nós, a agradecermos pelo terreno bom e a trabalhar os que não são ainda bons; a perguntarmo-nos se o nosso coração está aberto para acolher com fé a semente da Palavra de Deus. E exortou:
Encontremos em nós a coragem de fazer uma bela bonificação do terreno, do nosso coração, levando ao Senhor na confissão e a na oração os nossos pedregulhos e as nossas sarças. Assim fazendo, Jesus, bom semeador, sentir-se-á feliz por acrescentar o seu trabalho: purificar o nosso coração, tirando os pedras e os espinhos que sufocam a Palavra”.
Que Nossa Senhora do Monte Carmelo, insuperável no acolhimento da Palavra de Deus e em pô-la em prática nos ajude a purificar o coração e a conservar nele a presença do Senhor – rematou Francisco que passou depois à oração do Angelus:
Oração…
Após a reza das Avé Marias, Francisco saudou fiéis e peregrinos, (famílias, grupos paroquiais e associações) de Roma e do mundo presente na Praça.
Depois dirigiu uma saudação particular às irmãs Filhas de Nossa Senhora das Dores nos 50 anos da Aprovação Pontifícia do seu Instituto; às Irmãs Franciscanas de São José, nos 150 anos da sua fundação; aos dirigentes e hóspedes da “Domus Croata” de Roma no 30º aniversário da sua criação; e depois uma referência especial às irmãs e frades camelitas:
Gostaria de saudar de forma especial as irmãs e os frades carmelitas no dia da sua festa. Desejo que possam continuar decididamente no caminho da contemplação.”
Na Praça estava igualmente um grande grupo da comunidade venezuelana em Itália, a quem o Papa saudou também de modo especial, renovando a sua oração por esse amado país.
E de todos se despediu desejando bom domingo e pedindo, como sempre orações para ele. 
(DA)
Rádio Vaticano 

O valor do sinal da cruz

Se você soubesse a importância desta oração, garanto que você a colocaria mais em prática!


*(†) Pelo sinal da Santa Cruz,*
*(†) livrai-nos DEUS, nosso SENHOR,*
*(†) dos nossos inimigos!*
*(†) Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!*
Quando você acorda, você faz sobre si o “sinal da Cruz”? E antes das refeições? E quando vai dormir? Ao menos alguma vez ao dia? Não?! Se você soubesse a importância desta oração, garanto que você a colocaria mais em prática!
Muitas pessoas, não entendendo a importância dessa oração, a fazem de maneira displicente, ficando apenas no gesto, sem a efetiva invocação da Santíssima Trindade.
*O “sinal da Cruz” não é um gesto ritualístico, mas sim, uma verdadeira e poderosa oração! É o sinal dos cristãos! Por meio dele muitos santos invocaram a proteção do Altíssimo, e através dele pedimos a Deus que, pelos méritos da Santa Cruz de Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, Ele nos livre dos nossos inimigos, e de todas as ciladas do mal, que atentam contra a nossa saúde física e espiritual.*
*Mas você sabe fazer o “sinal da Cruz”?!*
De forma solene, sem pressa, e com a maior devoção e respeito:
*† Pelo sinal da Santa Cruz (na testa): pedimos a Deus que nos dê bons pensamentos, nobres e puros. E que Ele afaste de nós os pensamentos ruins, que só nos causam mal.*
*† Livrai-nos Deus, Nosso Senhor (na boca): pedimos a Deus que de nossos lábios só saiam louvores. Que o nosso falar seja sempre para a edificação do Reino de Deus e para o bem estar do próximo.*
*† Dos nossos inimigos (sobre o coração): para que em nosso coração só reine o amor e a lei do Senhor, afastando-nos, pois, de todos os maus sentimentos, como o ódio, a avareza, a luxúria… Fazendo-nos verdadeiros adoradores.*
*† Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! – É o ato livramento e deve ser feito com a maior reverência, consciência, fé e amor, pois expressa nossa fé no Mistério da Santíssima Trindade, cerne de nossa fé cristã, Deus em si mesmo. Deve ser feito com a mão direita, levando-a da testa à barriga, e do ombro esquerdo ao direito.*
Agora que você já sabe a importância do “sinal da Cruz”, *faça-o antes de sair de casa, antes de qualquer trabalho, nas horas difíceis e nas horas de alegria também.*
*Faça-o sobre si, e, sempre que possível, na testa de seu filho, de seu marido, de sua esposa, de seu irmão, de seu sobrinho…
Peça a Deus, sempre, para que Ele te livre e aos seus, de todos os males, afim de fazermos tudo, acordar, comer, estudar, trabalhar, dormir, viajar… Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo! Amém!*

(Autor desconhecido. Via Juventude OA)
 Via: Aleteia 

18/07 – Santo Arnolfo de Metz

Arnolfo nasceu em Metz, na antiga Gália, agora França, no ano 582. A sua família era muito importante, cristã e fazia parte da nobreza. Ele estudou e casou-se com uma aristocrata, com a qual teve dois filhos. A região da Gália era dominada pelos francos e era dividida em diversos reinos que guerreavam entre si. Isso provocava grandes massacres familiares e corrupção. Um destes reinos era o da Austrasia, do rei Teodeberto II, para o qual Arnolfo passou a trabalhar. Mas quando este rei morreu, todos os seus descendentes e familiares foram assassinados à mando do rei dos francos Clotário II, que incorporou a região aos seus domínios. Era neste clima que vivia Arnolfo, um homem de fé inabalável, correto e justo. O rei Clotário II, agora soberano de um extenso território, conhecendo a fama da conduta cristã de Arnolfo o tornou seu conselheiro. Confiou-lhe também a educação de seu filho Dagoberto, que se formou dentro dos costumes da piedade e do amor cristão. Tal preparo fez de Dagoberto um dos reis católicos mais justos da História, não tendo cometido nenhuma atrocidade durante o seu governo. Além disto, o rei Clotário II nomeou Arnolfo, bispo de Metz, que acumulou todas as atribuições da corte. Uma bela passagem ilustra bem o caráter deste homem, que mesmo leigo se tornou um dos grandes bispos do seu tempo. Temendo não ser digno do cargo, por causa dos seus pecados, atirou seu anel no rio Mosella, dizendo: “Senhor, se me perdoas, fazei-o retornar”. O anel retornou dentro do ventre de um peixe. Esta tradição cristã, ilustra bem a realidade de sua época, onde era difícil não pecar, especialmente para quem estava no poder. Naquele tempo, as questões dos leigos e do celibato não tinham uma disciplina rigorosa e uniforme dentro da Igreja, que ainda seguia evangelizando a Europa. Arnolfo não foi o primeiro pai de família a ocupar este posto, nesta condição. Como chefe desta diocese, Arnolfo participou dos concílios nacionais de Clichy e de Reims. Mais tarde, o seu filho Clodolfo, se tornou bispo e assumiu a diocese de Metz, enquanto o outro, chamado Ansegiso, se tornou um dos primeiro “mestres de palácio”, da chamada era carolíngia. Depois de algum tempo Arnolfo abandonou, o bispado e o cargo na corte, para ingressar no mosteiro fundado pelo seu amigo Romarico, outro que havia abandonado a corte e o rei. Desta maneira serena, Arnolfo viveu o resto de seus dias, dedicando-se às orações, penitência e caridade. Arnolfo morreu no dia 18 de julho de 641, naquele mosteiro. Assim que a notícia chegou em Metz, os habitantes reclamaram o seu corpo, depositando-o na basílica que adotou, para sempre, o seu nome.


Cléofas 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...